Política de Risco

1) Introdução

A Metalfrio Solutions S.A. e suas controladas (Companhia) estão expostas a riscos financeiros decorrentes das suas operações e condições de mercado os quais podem afetar o valor de mercado de ativos e passivos, os fluxos de caixa, os resultados futuros e a posição financeira consolidada da Companhia.

Com a finalidade de mitigar os principais riscos financeiros, a Companhia deverá atuar dentro dos limites estabelecidos nesta política, podendo contratar instrumentos financeiros específicos respeitando os limites determinados nesse documento.

Topo

2) Objetivos

Os objetivos da Política são os seguintes:

  • Estabelecer as diretrizes, limites, atribuições e procedimentos a serem adotados pela Companhia na execução das atividades que impliquem em riscos financeiros;
  • Aperfeiçoar os processos de contratação, controle, contabilização, avaliação e monitoramento das operações financeiras expostas a riscos;
  • Instituição do Grupo de Gestão de Riscos Financeiros ("Grupo de Gestão de Risco") que terá a atribuição de assegurar o cumprimento da Política de Gestão de Riscos Financeiros na Companhia.

Topo

3) Atribuições

As atribuições, definição, aplicação e monitoramento desta política são as seguintes:

    • O Conselho de Administração será responsável por: (i) aprovar a Política e suas atualizações, (ii) participar da decisão de qualquer assunto não descrito na Política e (iii) decidir sobre curso de ação em casos de desenquadramento.
    • Para sua aplicação, será instituído um "Grupo de Gestão de Risco", com a responsabilidade de assegurar o cumprimento da política de risco financeiro na Companhia e de encaminhar à apreciação do Conselho de Administração qualquer exceção ou desenquadramento à Política. O Grupo será formado por:
      • Presidente do Conselho de Administração
      • Presidente da Companhia
      • Vice Presidente Global de Operações

O Grupo de Gestão de Risco deverá se reunir mensalmente para avaliação dos limites estabelecidos. Os assuntos desta reunião serão resumidos em uma Ata que deverá circular entre os membros do Conselho. Adicionalmente, será apresentado trimestralmente ao Conselho um resumo consolidado das aplicações financeiras e da respectiva rentabilidade.

O Diretor Financeiro atuará como secretário do comitê.

  • A Diretoria Financeira terá a responsabilidade de atuar dentro dos limites desta política, acompanhar os níveis de exposição da Companhia e o cumprimento dos limites estabelecidos. Adicionalmente, a Diretoria Financeira deverá informar o "Grupo de Gestão de Risco" e o Conselho de Administração sobre desenquadramento de qualquer dos limites de exposição pré-estabelecidos na Política.

Topo

4) Descrição dos riscos financeiros

Os principais riscos financeiros aos quais a Companhia está exposta são os seguintes:

4.1. Exposição às flutuações das taxas de juros

Variações nas taxas de juros de mercado podem ter impacto no valor de mercado dos ativos e passivos, no resultado e no fluxo de caixa associado aos ativos e passivos atrelados às taxas fixas e às taxas variáveis. As principais taxas às quais a Companhia está exposta são: TJLP, CDI, Libor e Euribor.

4.2. Exposição às variações nas taxas de câmbio

A Companhia possui ativos, passivos e resultados denominados em diferentes moedas funcionais incluindo Reais, Dólares Norte-Americanos, Coroa Dinamarquesa, Pesos Mexicanos, Lira Turca, Rublos e Euros, estando, portanto, expostos a riscos relacionados à variação do câmbio destas moedas. A exposição pode ser dividida em:

Variação entre as moedas funcionais da Companhia (e de cada uma das subsidiarias) e as moedas dos seus respectivos ativos e passivos

    • Valores a pagar ou receber de terceiros que podem gerar variações no valor dos ativos e passivos, assim como receita ou despesa de variação cambial no resultado e variações no fluxo de caixa.
    • Valores a pagar ou receber entre companhias relacionadas que podem gerar variações no valor dos ativos e passivos, assim como receita ou despesa de variação cambial no resultado e variações no fluxo de caixa.

Variação entre moeda funcional das subsidiarias e o Real

  • Investimento permanente em subsidiárias que podem gerar variações no valor do Patrimônio Líquido Consolidado (conversão do balanço).

4.3. Exposição a risco de crédito

Decorre da possibilidade da Companhia e suas controladas sofrerem perdas relativas à inadimplência de suas contrapartes, incluindo:

  • Instituições financeiras depositárias de recursos ou de investimentos financeiros;
  • Investimentos em Títulos de dívida emitidos por outras entidades mediante compra de papéis de renda fixa;
  • Investimentos em Títulos Públicos;
  • Fundos de investimentos (administrados por terceiros);
  • Contraparte em operações envolvendo derivativos over-the-counter;
  • Transações com partes relacionadas.

4.4. Exposição às variações nos preços das commodities

A Companhia utiliza commodities no processo produtivo, principalmente cobre e alumínio. Variações adversas nos preços destes ou outras commodities utilizadas pela Companhia poderão afetar o resultado e o fluxo de caixa.

Topo

5) Gerenciamento dos Riscos Financeiros

Os parâmetros de riscos financeiros que a Companhia está autorizada a operar e gerenciar são os seguintes:

5.1. Exposição às flutuações das taxas de juros

Política

A Companhia não estará sujeita a limitações na exposição a diferentes taxas de juros, nem a níveis máximos nem mínimos para a relação entre exposição a taxas fixas e variáveis.

A Companhia está autorizada a contratar instrumentos financeiros de proteção (derivativos) para cobrir esta exposição, caso julgue necessário.

Monitoramento

A Diretoria Financeira deverá acompanhar periodicamente as flutuações da taxa de juros de mercado, e informar pelo menos mensalmente ao "Grupo de Gestão de Risco" que poderá decidir pela utilização ou não de instrumentos de proteção. Em caso positivo a Companhia poderá contratar operações de proteção contra a volatilidade destas taxas.

5.2. Exposição às variações nas taxas de câmbio

Política

A Companhia não tem a obrigatoriedade de fazer proteção da exposição cambial, mas está autorizada a realizar operações de hedge se julgar necessário.

A Companhia está autorizada a realizar operações de contratos futuros de câmbio (Non Deliverable Forward e Deliverable Forward) e outros instrumentos, em cada moeda, no valor nocional líquido até o limite máximo de 40% do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior à contratação do instrumento financeiro. O limite de 40%, mencionado anteriormente, não deve ser aplicado nos casos em que os instrumentos financeiros contratados têm como objetivo proteger a exposição cambial.

Caso o valor justo de mercado das operações contratadas atinjam um saldo devedor correspondente a 10% do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior, o Conselho de Administração deverá ser informado para que seja discutido e definido um plano de ação.

Monitoramento

O Diretor Financeiro deverá manter controle consolidado de todas as operações contratadas em aberto, incluindo no mínimo:

  • Descrição da operação (compra / venda);
  • Subsidiária da companhia contratante da operação;
  • Tipo operação (Non Deliverable Forward, Deliverable Forward, Opções);
  • Contraparte;
  • Moeda de compra e venda;
  • Condições: Valor nocional, taxa contratada e data de vencimento;

Adicionalmente, o Diretor Financeiro deverá revisar pelo menos mensalmente o valor justo de mercado das operações contratadas e realizar uma análise de sensibilidade (taxa spot e oscilações adversas 10%, 25% e 50%) para determinar o grau de exposição da Companhia. Se o mercado estiver agitado, este monitoramento pode ser diário.

O Diretor Financeiro deverá apresentar mensalmente os indicadores de enquadramento mencionados acima ao "Grupo de Gestão de Risco" e caso exista desenquadramento o Conselho deve ser imediatamente informado.

5.3. Exposição a risco de crédito

Política

  • Instituições financeiras depositárias de recursos ou de investimentos financeiros

A Companhia deverá respeitar os seguintes limites:

    • a) A Companhia poderá aplicar em instituições financeiras que possuam classificação de risco, baseada em pelo menos uma das três principais agências (Standard & Poors, Moody´s ou Fitch) com rating em escala nacional igual ou superior a A-, desde que os recursos mantidos em uma única instituição financeira sejam limitados simultaneamente a (i) 50% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e (ii) 50% do caixa consolidado do trimestre anterior.

    • b) A Companhia poderá aplicar em instituições financeiras que possuam classificação de risco, baseada em pelo menos uma das três principais agências (Standard & Poors, Moody´s ou Fitch) com rating em escala nacional entre BBB+ e BBB-, desde que os recursos mantidos neste grupo sejam limitados simultaneamente a 25% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e do caixa consolidado do trimestre anterior e que em uma única instituição financeira sejam limitados simultaneamente a (i) 5% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e (ii) 5% do caixa consolidado do trimestre anterior.

  • c) A Companhia poderá aplicar em instituições financeiras que não possuam classificação de risco ou que possuam classificação de risco, baseada em pelo menos uma das três principais agências (Standard & Poors, Moody´s ou Fitch) com rating em escala nacional igual ou menor a BB+, desde que os recursos mantidos neste grupo sejam limitados simultaneamente a 5% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e do caixa consolidado do trimestre anterior e que em uma única instituição financeira sejam limitados a 3% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e 3% do caixa consolidado do trimestre anterior.

Para o cálculo do cumprimento dos limites estabelecidos para as instituições financeiras acima, os valores garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) ou órgão equivalente em outros países serão considerados como risco de crédito equivalente a BBB, uma vez que esses representam mitigação para o risco de crédito da Companhia.

  • Títulos de renda fixa e variável

A Companhia poderá investir até 10% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior em títulos de renda variável. Para o cálculo serão excluídos investimentos em subsidiárias e ações retidas em tesouraria.

A Companhia poderá investir em títulos de renda fixa (para fins de Política de Gestão de Risco Financeiro, os CDBs/CDI não são considerados como títulos de renda fixa, os mesmos estão considerados no tópico anterior como Instituições financeiras depositárias) até o limite de 75% do caixa consolidado reportado pela Companhia no trimestre anterior e respeitando os seguintes limites:

    • a) A Companhia poderá manter seus recursos aplicados em títulos de renda fixa emitidos por entidades brasileiras ou estrangeiras que possuam classificação de risco, baseada em pelo menos uma das três principais agências (Standard & Poors, Moody´s ou Fitch) com rating em escala global e na moeda de denominação do papel igual ou superior a A-, desde que os recursos mantidos em um único emissor sejam limitados a 15% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e a 20% do caixa consolidado do trimestre anterior.

    • b) A Companhia poderá manter seus recursos em títulos de renda fixa emitidos por entidades brasileiras ou estrangeiras que possuam classificação de risco, baseada em pelo menos uma das três principais agências (Standard & Poors, Moody´s ou Fitch) com rating em escala global e na moeda de denominação do papel entre BBB+ e BBB-, desde que os recursos mantidos em um único emissor sejam limitados a 10% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e a 10% do caixa consolidado do trimestre anterior.

  • c) A Companhia poderá manter seus recursos em títulos de renda fixa emitidos por entidades brasileiras ou estrangeiras que não possuam classificação de risco ou que possuam classificação de risco, baseada em pelo menos uma das três principais agências (Standard & Poors, Moody´s ou Fitch) com rating em escala global e na moeda de denominação do papel inferior a BBB-, desde que os recursos mantidos em um único emissor sejam limitados a 3% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e a 7,5% do caixa consolidado do trimestre anterior.
  • Fundos de investimentos

A Companhia poderá manter seus recursos em fundos de investimentos desde que os recursos mantidos em um único fundo de investimento sejam limitados a 5% do valor do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e 5% do caixa consolidado do trimestre anterior.

  • Operações com derivativos over-the-counter

A Companhia poderá efetuar operações com derivativos over-the-counter com instituições financeiras que possuam classificação de risco baseada em pelo menos uma das três principais agências (Standard & Poors, Moody´s ou Fitch) com rating em escala aplicável igual ou superior a A-.

  • Contas a receber de clientes

O risco das contas a receber de clientes deverá ser monitorado segundo a política específica estabelecida pela Companhia.

Monitoramento

O Diretor Financeiro deverá acompanhar mensalmente o enquadramento dos limites acima definidos e reportar mensalmente ao "Grupo de Gestão de Risco" qualquer desenquadramento.

5.4. Exposição às variações nos preços das commodities

Política

A Companhia não tem a obrigatoriedade de fazer proteção contra possíveis variações nos preços das commodities, mas está autorizada a realizar operações de hedge se julgar necessário.

A Companhia poderá contratar instrumentos financeiros para obter proteção das alterações nos preços de cobre, alumínio e outras commodities com cotação de preço no mercado futuro, respeitando o limite máximo de contratação de instrumentos financeiros de até 50% do volume de commodities previstos para serem utilizados pela Companhia nos próximos 12 meses.

Monitoramento

O Diretor Financeiro deverá monitorar periodicamente a variação nos preços das principais commodities utilizadas e a avaliar junto ao "Grupo de Gestão de Risco" a necessidade de contratação de proteção.

Topo

6) Gerenciamento da dívida e indicadores financeiros

A Companhia deve buscar manter uma relação de pelo menos 40% da dívida financeira no longo prazo, em relação ao total do endividamento financeiro.

A Companhia deverá também atender aos seguintes indicadores financeiros:

  • Dívida financeira líquida / Patrimônio Líquido Consolidado do último trimestre no máximo em 0,75. Este indicador será calculado no momento da avaliação.
  • Caixa consolidado mínimo de R$ 50 milhões para as necessidades operacionais acrescido do valor a pagar das dívidas bancárias com vencimento no trimestre subseqüente.

Caso os indicadores financeiros acima não sejam atendidos a Companhia deverá informar imediatamente ao "Grupo de Gestão de Risco" e ao Conselho de Administração.

Monitoramento

O Diretor Financeiro deverá monitorar mensalmente os indicadores e informar ao "Grupo de Gestão de Risco" e ao Conselho de Administração qualquer desenquadramento.

Topo

7) Transações com partes relacionadas

A Companhia adota práticas recomendadas e/ou exigidas pela legislação e aquelas previstas no Regulamento do Novo Mercado da BM&FBovespa. A inclusão deste tema neste tópico tem o propósito específico de tratar transações financeiras de empréstimos (mútuo) entre a controladora e suas subsidiárias e demais partes relacionadas.

A Companhia (controladora) e suas subsidiárias (controladas) podem entre si realizar transações financeiras (mútuo / operações arm’s length) com encargos financeiros a valor de mercado.

Quando se tratar de operações com partes relacionadas que não sejam entidades controladoras e ou controladas/coligadas, a Companhia deverá respeitar o limite de 5% do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior e prazo não superior a 90 dias. As transações com partes relacionadas (exceto as transações realizadas envolvendo controladora e controladas/coligadas) deverão ser apresentadas mensalmente ao Conselho de Administração.

Caso os indicadores financeiros acima não sejam atendidos a Companhia deverá informar imediatamente ao "Grupo de Gestão de Risco" a ao Conselho de Administração.

Topo

8) Outros

Historicamente, a Companhia não tem se exposto a riscos diferentes dos descritos anteriormente.

Caso a Companhia tenha intenção de investir em ativos financeiros ou contratar instrumentos financeiros não inclusos nesta política, deverá submeter-se ao "Grupo de Gestão de Risco" para avaliar montantes envolvidos e riscos associados, bem como a conveniência e oportunidade de sua contratação, e submeter o assunto ao Conselho de Administração caso:

  • i) A perda máxima estimada da operação for maior do que 5% do Patrimônio Líquido Consolidado da Companhia reportado no exercício fiscal do ano imediatamente anterior ou;
  • ii) A perda Máxima não possa ser estimada com segurança.

Topo

São Paulo, agosto de 2010.

Luiz Eduardo Moreira Caio

Fernando Pedroso dos Santos

Para mais informações, clique aqui.